Editorial

A escandalosa licença-prêmio de 1.776 procuradores

Enquanto o ilegítimo governo de Temer corta R$ 10,00 de quem vive do salário mínimo, cerca de 1.776 procuradores e servidores do Ministério Público receberam uma licença-prêmio de R$ 62,4 milhões. Precisamos cortar esses privilégios pela raiz.


POR Marcelino da Rocha

Publicado em 20 de fevereiro de 2018


Notícia publicada nesta terça-feira (20/02) pelo jornal “Valor Econômico” informa que uma elite de 1.776 procuradores e servidores do Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho e do Ministério Público Militar receberam no final de 2017 uma licença-prêmio de R$ 62,4 milhões. Em média, cada um deles recebeu um abono de R$ 35,5 mil.

Enquanto isso, na mesma época o governo de Michel Temer decidia diminuir em R$ 10,00 o valor do salário mínimo nacional, hoje em R$ 954,00.

O pagamento, ainda de acordo com o jornal, foi autorizado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, como forma de premiar a assiduidade dos servidores e procuradores. A decisão foi inédita na história da PGR, já que tal benesse até então só era concedida em casos de aposentadoria e falecimento.

Em um momento no qual a economia do país se encontra em frangalhos, servindo de pretexto para um governo ilegítimo cortar míseros R$ 10,00 mensais daqueles que recebem um salário mínimo, causa indignação conhecer as entranhas do funcionamento de determinadas castas privilegiadas do país.

Nas últimas semanas, passamos a conhecer a dimensão dos recursos disponibilizados como auxílio-moradia para membros do Poder Judiciário, inclusive para aqueles que dispõem de imóveis nas cidades onde residem – o caso do paladino Sergio Moro é o mais notório. Em média, cada um deles recebe R$ 4.300 como complemento salarial, renda superior à de cerca de 90% dos brasileiros.

Sem cortar na raiz esse tipo de privilégio, jamais conseguiremos combater de maneira irreversível a desigualdade no país. Num ano eleitoral como o que estamos iniciando, esse tipo de debate tem que ganhar as redes socais, os bares, as reuniões familiares e outros espaços de discussão. Precisamos retomar nossa capacidade de pautar temas que fortaleçam a luta do povo e da classe trabalhadora. A indignação de parte da população, em especial daquela que bateu panela nos últimos anos, não pode continuar a ser seletiva.


Marcelino da Rocha

Marcelino da Rocha é presidente da FITMETAL e dirigente nacional da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil). Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim e Região (MG) por quatro mandatos


Últimas Inclusões