Notícias

15M: Fitmetal presente em todo o Brasil contra Temer e a reforma da Previdência

Os sindicatos da base da Fitmetal estiveram na linha de frente dos protestos do “Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra as reformas trabalhista e da Previdência”, que ocorreram por todo o Brasil.


POR Murilo Tomaz - Fitmetal

Publicado em 15 de março de 2017

Foto de Divulgação

O dia 15 de março foi marcado pelas mobilizações em torno do “Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra as reformas trabalhista e da Previdência”. Em todo o país, a população em conjunto com entidades de movimentos sindicais e sociais foram às ruas e deixaram claro que não aceitarão as reformas trabalhista e da Previdência que o governo ilegítimo de Michel Temer tenta impor.

Confira como foram as atividades em diversas cidades pelo país:

Betim (MG)

Em defesa da aposentadoria, dos direitos trabalhistas e pelo "Fora Temer", diretores da Fitmetal estiveram desde a manhã do dia 15 em um grande ato em Betim (MG). A manifestação passou pelas fábricas da Nemak, Teksid, na portaria da Regap (Petrobras) e foi seguida de uma passeata no centro da cidade.

Salvador (BA)

Nas ruas pela garantia de aposentadoria e contra qualquer retrocesso, manifestantes e sindicalistas da Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos e Mineradores da Bahia estiveram na parte da manhã em protesto que teve concentração em frente ao Shopping da Bahia, em Salvador. Na parte da tarde, ocorreu uma grande marcha no centro da cidade iniciada em Campo Grande.

Caxias do Sul/ Carlos Barbosa (RS)

Às 10 horas da manhã, os movimentos sindicais e sociais reuniram-se na praça Dante Alighieri, no centro de Caxias do Sul, para um ato unificado contra as reformas da previdência e trabalhista e contra a terceirização sem limites. A secretária de Políticas Sindicais da Fitmetal e diretora de comunicação do Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul, Eremi Melo, disse que o ato foi marcado pela união contra os retrocessos. “O dia de hoje foi muito importante para todos nós. O fato dos trabalhadores da Marcopolo terem nos acompanhado até o centro, e os da Mundial, terem ajudado a fechar a rua, são exemplos de que hoje a classe trabalhadora esteve unificada, demonstrando para a sociedade o quanto é perversa a política desse governo golpista. Queremos chamar a atenção porque para barrar essas reformas precisamos de ainda mais trabalhadores nas ruas”, explicou. As manifestações se estenderam até o final da tarde e contaram com sindicalistas de toda a Serra Gaúcha. Dirigentes e trabalhadores da base do Sindicato dos Metalúrgicos de Carlos Barbosa participarão da organização e nas mobilizações dos protestos.

Chapecó (SC)

Os dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Chapecó, sob liderança do presidenteFernando de Oliveira, estiveram mobilizados contra as mudanças na Previdência e a retirada de direitos dos trabalhadores em protestos pela cidade.

São Luís (MA)

Em São Luís, capital do Maranhão, não foi diferente e o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos, junto com outras categorias, caminharam contra as reformas e pediram Fora Temer!

Jaguariúna/São Paulo (SP)

Em São Paulo, os atos que acontecem em diversos locais da capital e do interior reuniram milhares de pessoas. Os dirigentes e trabalhadores da base do Sindicato dos Metalúrgicos de Jaguariúna estiveram na Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, onde mais de 200 mil pessoas protestaram contra as reformas trabalhista, da Previdência e também contra a reforma do Ensino Médio.

Rio de Janeiro (RJ)

As manifestações no Rio de Janeiro tiveram concentração na Candelária e ocuparam todo o centro da cidade parando ruas e avenidas. Os dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro estiveram ativamente nos atos e mobilizações que tomaram as ruas contra as propostas do governo ilegítimo que quer impedir que os trabalhadores se aposentem.

Brasília

Em Brasília, cerca de 1.500 pessoas ocuparam na madrugada desta quarta-feira (15) a sede do Ministério da Fazenda. Militantes de movimentos sociais e do movimento sindical participaram do ato.