Opinião

O comunicador Che Guevara

Nos 50 anos da morte do revolucionário argentino naturalizado cubano Ernesto Guevara de La Serna, o "Che", o portal da FITMETAL recorda uma faceta pouco lembrada de sua trajetória: suas contribuições no campo da comunicação social.


POR Beto Almeida

Publicado em 09 de outubro de 2017

A fundação da Rádio Rebelde, em plena Sierra Maestra, foi um dos passos mais audazes do "comunicador" Che Guevara

Foto de Divulgação

Uma das facetas de Che Guevara, esta extraordinária personalidade, é o jornalista. Não é o caso de detalhar aqui sobre suas atividades como fotojornalista e seus escritos denunciando as injustiças das veias hemorragicamente abertas da América Latina antes mesmo de vincular-se ao movimento revolucionário cubano no México, após escapar da invasão ianque à Guatemala rebelde do coronel Jacob Arbenz.

Mas o organizador revolucionário também na área da comunicação logo se expressou quando, ainda durante os combates em Sierra Maestra, Che organizou a fundação de um periódico, cuja impressão foi possível em gráfica montada com equipamentos levados a lombo de burro e em várias viagens clandestinas para o quartel-general da guerrilha comandada por Fidel.

Logo depois, um passo ainda mais audaz: a fundação da Rádio Rebelde, também em território liberado de Sierra Maestra. Os transmissores foram igualmente para lá conduzidos em lombo de burro e as emissões puderam ser captadas por rádios venezuelanas que, por sua vez, retransmitiam muitas dessas alocuções de Fidel e de Che, possíveis de serem captadas por rádios da Argentina. A Revolução Cubana começava a construir seu sistema de comunicação social revolucionário.

A Rádio Rebelde desceu da Sierra Maestra na ponta do fuzil e existe atualmente, continua coerentemente fazendo jornalismo revolucionário. Após a tomada do poder, Che continuou tomando iniciativas como comunicador, era extraordinariamente consciente da imperiosa necessidade de travar a batalha das ideias contra o dilúvio de manipulação e mentiras que até hoje se lançam contra Cuba Socialista.

Após a tomada do poder, Che continuou tomando iniciativas como comunicador, era extraordinariamente consciente da imperiosa necessidade de travar a batalha das ideias contra o dilúvio de manipulação e mentiras que até hoje se lançam contra Cuba Socialista

Baseado numa iniciativa de um seu conterrâneo, o general Juan Domingos Perón, outro dirigente igualmente atento para a necessidade de enfrentar o sistema imperialista de desinformação, razão pela qual criou na Argentina uma Agência Latina de Notícias, Che Guevara foi um dos principais responsáveis pela criação da Agência Prensa Latina, ainda hoje desempenhando imprescindível papel nesta luta de classes ideológica e informativa, especialmente revelando as maquinações do terrorismo midiático incessante contra Cuba e contra todos os governos e povos que adotam posições de transformação social , soberania e independência ante o império.

Che, sempre organizador, foi ainda o criador da Verde Olivo, revista das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba, no que se revela a importância da questão militar e da nova função revolucionária atribuída aos militares. Um detalhe: na sua primeira edição, a Verde Olivo trazia na capa o próprio Che. Informado, enfureceu-se, foi até a gráfica e determinou a inutilização de todas aquelas capas e a reimpressão de outra capa, sem qualquer possibilidade de que se alguém insinuasse culto à personalidade.

 

* Texto adaptado do artigo “Che Guevara, 41 anos depois...”, publicado no site “Pátria Latina” em 8 de outubro de 2008


Beto Almeida

É jornalista e presidente da TV Cidade Livre de Brasília. Foi fundador do jornal “Brasil de Fato” e diretor da Telesur