Notícias

Na Câmara dos Deputados, Fitmetal defende Conteúdo Local e alerta sobre desindustrialização

Comissão Geral da Câmara dos deputados debateu discute as mudanças promovidas pelo governo federal na política de conteúdo local para exploração de petróleo e gás no Brasil.


POR Murilo Tomaz - Fitmetal

Publicado em 30 de março de 2017

Foto de Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

Nesta quinta-feira, dia 30, dirigentes da Fitmetal participaram de uma comissão geral na Câmara dos Deputados, em Brasília, para debater as mudanças promovidas pelo governo federal na política de conteúdo local para petróleo e gás. No Plenário Ulysses Guimarães, sindicalistas, prefeitos e parlamentares apontaram que a medida vai agravar a situação de desemprego na indústria naval e em diversos municípios que têm nela sua principal fonte econômica. Na parte da manhã, os dirigentes da Federação visitaram o gabinete do deputado Assis Melo (PCdoB/RS).

SAIBA MAIS: Em defesa da Política de Conteúdo Local para a Indústria Naval e Offshore

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS: Dirigentes da Fitmetal em comissão na Câmara dos Deputados

Na oportunidade, o presidente da Fitmetal, Marcelino da Rocha, defendeu no plenário a política de Conteúdo Local para a Indústria Naval e Offshore e alertou sobre o processo de desindustrialização pelo qual passa o país e as suas consequências. 

Confira o discurso do presidente da Fitmetal, Marcelino da Rocha, na comissão geral da Câmara dos Deputados: 

Entenda o debate: No mês passado, os percentuais de equipamentos e serviços produzidos no País exigidos em licitações do setor foram reduzidos e serão aplicadas na 14ª rodada de licitações de blocos para exploração de petróleo e gás natural, prevista para setembro, e na 3ª rodada de leilões de blocos no pré-sal, prevista para novembro. Conforme a nova política, para exploração em terra, o índice de conteúdo local será de 50%. Nos blocos em mar, o mínimo é de 18% na fase de exploração, 25% para a construção de poços e 40% para sistemas de coleta e escoamento. Nas plataformas marítimas, o percentual será de 25%.

*Com informações Agência Câmara e TV Câmara