Notícias

Após ano de avanços, metalúrgicos de Camaçari (BA) se preparam para as lutas de 2018

O retorno do pessoal em layoff e à reativação do 3º Turno, a categoria, conduzida pelo Sindicato, soube assegurar a empregabilidade no Complexo Ford.


POR Redação

Publicado em 08 de janeiro de 2018

Júlio Bonfim, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari (BA)

Foto de Reprodução

Apesar de todas as dificuldades impostas pela crise na economia, pelo governo golpista de Temer e pela intransigência patronal, os metalúrgicos em Camaçari, Bahia, conseguiram acumular vitórias e avanços importantes no ano de 2017. Do retorno do pessoal em layoff à reativação do 3º Turno, a categoria, conduzida pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, entidade parceira à FITMETAL, soube assegurar a empregabilidade no Complexo Ford. Tanto que encerra-se o ano sem demissão em massa. Mas as conquistas não foram apenas econômicas. A categoria teve ao longo do ano uma intensa agenda, com mobilização pelo Dia Internacional da Mulher, Consciência Negra, protestos contra as reformas trabalhista e previdenciária, Forró, eventos no Metal Clube e tantas outras manifestações do nosso calendário. Neste jornal, vamos rever as principais ações e fatos que marcaram este ano para os metalúrgicos.

Acordo por 2 anos

O ano começou sem aquela pressão da Campanha Salarial, graças ao acordo de dois anos fechado entre o Sindicato e o Complexo Ford, que assegurou aumento real de salários e uma série de benefícios, como PLR, abono e tíquete alimentação. Protegida pelo acordo, a categoria não sofreu para garantir os avanços que alcançou em mais um ano.

PLR e Abono

Os trabalhadores do Complexo Ford tiveram mais um motivo para comemorar neste fim de ano. Apesar da crise na economia, o Sindicato conseguiu garantir nas negociações com a montadora 98,24% da PLR, uma conquista histórica. A segunda parcela tem valor de R$ 10.143,00. Somando com a primeira parcela, no valor de R$ 8.573,00, o valor total máximo a ser recebido pelos trabalhadores é de R$ 18.716,00. O Sindicato também conseguiu manter o pagamento do abono, benefício que foi retirado em outras montadoras no país, mas que aqui em Camaçari continua valendo.

Antecipação do 13º

Na base da insistência e muita habilidade nas negociações, o Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari conseguiu junto a Ford a antecipação do pagamento da primeira parcela do 13º salário para fevereiro. A antecipação, grande conquista do Sindicato, é muito importante para recompor o orçamento doméstico dos trabalhadores e suas famílias, ainda mais num período de tantas despesas, como o início de ano, com gastos envolvendo impostos, escola dos filhos, IPVA etc. O Sindicato conseguiu sensibilizar a Ford a atender esse pleito.

Reativação do 3º turno

O empenho do Sindicato nas negociações garantiu a reativação do 3º Turno, conquista fundamental do Sindicato dos Metalúrgicos na luta pela manutenção dos empregos no Complexo Ford. O retorno do 3º Turno aconteceu com a volta de mais de 1.500 trabalhadores. O terceiro Turno tinha sido encerrado pela Ford, por causa da crise econômica, e seu retorno foi resultado de um amplo movimento de negociação que o Sindicato promoveu para convencer a Ford a reativá-lo.

Retorno do layoff

No começo do ano, centenas de trabalhadores retornaram às funções graças ao acordo de lay off fechado entre o Sindicato e a montadora ainda em 2016. Essa medida preservou os postos de trabalho, evitando demissão em massa na fábrica, bem diferente do que aconteceu em várias montadoras no país, que demitiram e retiraram direitos.

Geração de emprego

O Sindicato conseguiu negociar este ano a criação de 160 vagas de emprego no Complexo Ford. Por meio do presidente da entidade, Júlio Bonfim, foi negociado com a empresa a necessidade da criação desses novos postos de trabalho para suprir a crescente demanda.

Mulheres metalúrgicas mobilizadas

As metalúrgicas de Camaçari, através da secretaria da Mulher do Sindicato, tiveram um ano de muita mobilização. Em março, uma série de ações comemorou o Dia Internacional da Mulher, em 8 de Março. Já o Outubro Rosa alertou para o combate ao câncer de mama, com importantes ações dentro das fábricas. Outra campanha importante foi “16 dias de ativismo”, que chama atenção para a importância de lutar contra violência contra a mulher.

Sindicato recebeu diversas homenagens

Trabalhadores de diversas empresas, como Autometal, Cooper, Magna Cosma e Benteler, entre outras, prestaram homenagens este ano ao Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari - CTB pela atuação em defesa do emprego e dos direitos da categoria. Foram entregues placas comemorativas e promovidos encontros para reforçar a confiança do chão de fábrica no Sindicato. A entidade agradece as manifestações de carinho e mantém a luta viva para 2018!

Dia das Crianças com festa e diversão pra garotada

Em outubro, o Sindicato promoveu uma grande festa para marcar o mês das Crianças, no Metal Clube. Teve brinquedos infláveis, grupo de animação, sorteio de brinquedos e toda a estrutura do clube para garantir a diversão da criançada. Ano que vem tem mais!

Patrimônio: Sindicato ganhou nova sede

O Sindicato inaugurou este ano a sua nova sede, no centro de Camaçari, com mais conforto e comodidade aos sindicalizados. Moderna, a nova sede foi ampliada e é mais uma ação da direção da entidade na preservação e crescimento do patrimônio dos trabalhadores.

Esporte tomou conta do Metal Clube

O Metal Clube, que se tornou em pouco tempo espaço de confraternização dos trabalhadores, foi palco este ano de diversas competições esportivas, como campeonatos de futebol e vôlei. Para o Sindicato, investir em esporte é garantir mais saúde aos trabalhadores e diversão, pois a integração da categoria é uma das prioridades do Sindicato.

A importância da luta contra a reforma da Previdência em 2018

2018 promete ser de muita luta no campo político. Além de ser ano eleitoral, o ano prevê uma batalha no Congresso Nacional contra a Reforma da Previdência. O governo Temer vai tentar a todo custo aprovar a reforma, que massacra o povo brasileiro. Por isso, a classe trabalhadora tem papel fundamental para manter as mobilizações e pressionar o Congresso a rejeitá-la. A reforma impactará diretamente a vida de mais de 140 milhões em nosso país. E mais, afetará a condição humana, a sobrevivência de mais de quatro mil municípios do país. Entre as medidas contidas na reforma da Previdência sinalizada pelo governo Temer, está a desvinculação do reajuste dos benefícios ao salário mínimo. Outro item da reforma é exigir, para a aposentadoria, a idade mínima de 65 anos e 35 anos de contribuição. Atualmente, uma das formas pela qual a aposentadoria pode ser concedida é por idade, aos homens com 65 anos e às mulheres com 60 anos, com tempo mínimo de contribuição de 15 anos.

Fonte: Metalúrgicos de Camaçari